segunda-feira, 28 de março de 2011

Salto alto: Todo dia, o dia todo, ou apenas em ocasiões especiais?

Eu tenho 1,56m. E me recuso a chamar "isso" de altura. rsrsrs
Mas, graças a Deus, nunca tive problemas com o fato de ser baixinha. Nem quando fui retirada do curso de aeromoça que fiz em 1998, assim que acabei o ensino médio, porque não tinha os 1,60m mínimos exigidos na época. E apesar do meu tamanho, só uso salto alto em situações especiais, ou quando quero arrasar. No trabalho, só uso quando preciso parecer mais profissional, mais madura, mais séria. No dia-a-dia, prefiro usar rasteirinhas, sapatilhas e saltos menores e mais grossos, que dão mais conforto às pernas e à coluna.
Esses dias estava com meu marido numa pizzaria na Barra da Tijuca (RJ) e quando saímos de lá, vinham em nossa direção um grupo de meninas vestidas para matar (e com certeza deviam ser todas órfãs, ou suas mães não deixariam que elas saíssem vestidas daquele jeito), mas a forma que andavam em cima de seus sapatos altíssimos denunciavam a pouca idade e falta de intimidade com o acessório.
E se até as modelos profissionais, que já acordam de salto, por muitas vezes acabam no chão da passarela, imagina o que pode acontecer com uma pobre mortal que só usa o acessório uma vez na vida?

E foi pensando nesse público que surgiu a Academia "Talons" (que significa Garra, em inglês). A Talons é uma academia parisiense (tinha que ser, né? rsrs) especializada em ensinar mulheres cansadas de lidar com a difícil tarefa de manter o porte e a saúde sobre alguns centímetros a mais, num curso que custa 15 euros. "Andar sem cair do salto alto é mais uma questão de técnica que de elegância natural", afirmam as responsáveis pela academia.
A origem deste projeto partiu de duas parisienses de 28 e 29 anos, Marine Aubonnet e Eugénie Bret, que assim que controlaram seu próprio salto decidiram consultar podólogos e agências de modelos para transmitir às alunas sua confiança e as recomendações dos especialistas.
Dessa mistura de experiência pessoal e profissional surgem conselhos que variam entre o reforço da auto-estima e um maior controle da linguagem não verbal, como a necessidade de caminhar com a coluna reta e sem olhar para os pés para refletir maior sensação de segurança.
Durante uma hora, as alunas da Academia "Talons" recebem conselhos "importantes" que vão desde como calçar o sapato de salto alto como uma arte até sobreviver um dia inteiro sem perder a pose, através de um método que em um ano desde a inauguração atraiu centenas de interessadas. 
Como ponto de partida, um princípio básico que ao longo da classe se repete até não poder mais é: "Quando você está de salto alto, você é uma princesa, e como tal, esquece da pressa. Se for necessário, você tem que esperar".
Pra você que não mora em Paris, não sabe andar de salto alto (ou fica A-CA-BA-DA quando sai do salto) e não pode pagar 15 euros pra aprender, tá aqui um vídeo aula suuuuper legal! #ficadica

O salto alto também pode ser um vilão
Além da inegável sensualidade, elegância e imponência que o acessório proporciona, a plataforma eleva o bumbum e define alonga as pernas. Está na lista dos 10 looks que eles adoram e ainda há quem garanta que ela até facilite o orgasmo feminino! Mas, antes que você saia por aí de-ses-pe-ra-da por um salto 15, saiba que não é só de benefícios que vive este tipo de sapato. Seu uso indiscriminado traz sérios problemas para a coluna e facilita o aparecimento de varizes, barriguinha e da temida celulite.
Pesquisas revelam que 20% das mulheres sentem algum tipo de dor durante a primeira hora de uso do salto, número este que sobe para 40% na segunda hora. E se ortopedistas são categóricos –  o ideal é um salto de cerca de 3 centímetros de altura com taco mais largo – a moda chama por nossas cabeças, ou melhor, nossos pés. E nós deixamos.

O abuso dos saltos altos pode provocar múltiplas alegrias, e pode também causar muitas dores e conseqüências muito problemáticas… Em diferentes locais, desde pés,  joelhos, costas e até mesmo a cabeça. Pra saber um pouco mais sobre os principais problemas causados pelo uso excessivo de saltos muito altos, dá uma olhadinha no site da Usaflex, empresa de sapatos especializada em conforto para os pés.

E pesquisando um pouco sobre o assunto, achei um vídeo que fala sobre o uso do salto alto no ambiente corporativo, que ajuda a gente a saber usar o salto sem prejudicar a saúde e nem a imagem profissional:

E pra quem acha que não dá pra andar elegante e feminina sem salto, precisa dar uma olhada nos looks da primeira-dama francesa. Referência de elegância não só na França, mas mundialmente, Carla Bruni usa e abusa das sapatilhas e sapatos baixos, motivada muito pela diferença de altura entre ela e o marido, mas também pelo conforto que proporciona.

E ai? Vamos aproveitar o post e sair linda e confortável pro trabalho hoje?

4 comentários:

Taty disse...

Adorei...
Sou baixinha tb 1,55...adoro saltos, mas no dia-a-dia, levando em consideração transporte e ruas cheia de buracos é um problema andar de salto em SP, meus companheiros de trabalho são os saltos menores e sapatilhas...

Beijinhos

Bruh disse...

Uma vez fiz um post sobre isso, não posso usar salto, meu ligamento é estourado.
Acho que tudo tem seu momento.
Bjs

glossbyfashion disse...

Nossa gostei muito do post e dos videos, sou super baixinha e amo um saltão.

Bye
@chapiagtti
http://glossbyfashion.blogspot.com

Gil Mendes disse...

MENINA, AMEI O POST. EU NAO CURTO MUITO SALTO ALTO, POIS SINTO AS TERRIVEIS DORES NA PANTURRILHA. QDO VOU A FESTAS,(DE CARRO É CLARO)ABUSO UM POUCO NO TAMANHO DO SALTO. EU NAO SOU ALTA, COM MEUS 1,66M E SALTO, PARECE Q FICO COM AS PERNAS LONGAS DEMAIS E NAO GOSTO. ABRAÇOS E UM OTIMO DIA.